domingo, 28 de agosto de 2016

Capítulo Cinco

No dia seguinte, Ashley estava determinada a compensar os últimos dias, e passar o dia inteiro com Vanessa. Ela havia mudado seu horário, e teria que trabalhar o dia todo amanhã, mas hoje as meninas tinham o dia todo apenas para elas.

Ashley levou Vanessa para um passeio na cidade velha de Gênova. Era o maior centro histórico da cidade na Europa, Ashley apontou. Um número incrível de pequenas ruas e becos, chamada caruggi, se entrelaçavam como uma tigela de espaguete e espalhava  por todo o lugar. Vanessa sentiu como se estivessem sendo transportadas de volta aos tempos medievais, e não podia acreditar que um lugar bonito e tão pacífico, se transformava em um pote borbulhante de atividade criminosa à noite. Ashley explicou que a antiga cidade estava cheia de turistas, lojas e restaurantes durante o dia, mas uma vez que anoitecia, era um lugar para a prostituição e o tráfico de drogas.

Onde quer que olhasse, Vanessa via edifícios incríveis, tais como igrejas, palácios e museus, ricamente construídos para atrair a atenção. Entre eles, as casas coloridas se destacavam, mas estranhamente complementava a extravagância dos outros edifícios. O lugar era verdadeiramente mágico - tinha energia zumbindo por ela, uma espécie de atmosfera arrogante, uma experiência esmagadora que Vanessa nunca tinha passado antes.

Depois de duas horas vagando pelo local e explorando a cidade velha, as meninas pegaram um táxi e foram até para o Centro Commerciale Fiumara - o maior centro comercial de Gênova. Ele estava localizado no distrito de Sampierdarena, que costumava ser uma zona industrial enorme, mas tinha sido reformado e reconstruído em este enorme e moderno shopping. Ele ainda tinha seu próprio parque de diversões, bem como um cinema, uma tonelada de lojas e restaurantes. As ofertas de verão já começaram, e  as meninas aproveitaram bem, matando mais algumas horas.

O tempo estava lindo lá fora, e depois de uma rápida parada em casa para um almoço leve, arrumar a mochila e trocar de roupa, elas se dirigiram para a praia. Ashley tinha apoiado a determinação de Vanessa em conseguir um belo bronzeado durante as férias, e a tinha convencido a comprar um biquíni tão pequeno, que deveria ter sido proibido. Era preto com enfeites dourados que brilhavam a luz do sol e parecia que se movia - quase como se fosse vivo. A parte inferior era cortada na altura dos quadris e amarrado com cordas minúsculas; o top consistia de dois triângulos unidos por um par de fitas pretas. Vanessa era naturalmente magra, mas depois de seu diagnóstico, ela tinha tomado um cuidado extra em sua dieta e fazia exercício todos os dias, assim seu corpo definitivamente poderia encarar esse biquíni. No inicio ela se sentiu exposta, mas decidiu relaxar.

Espero que Zac goste. Ou melhor, goste de mim nele.

O pensamento veio tão de repente, que Vanessa parou abruptamente e sacudiu a cabeça.

AMIGOS! Lembra-se? Ele é um grande cara para ser amigo. Depois você pode babar em mil outros garotos na praia.

Determinada a seguir o seu próprio conselho, Vanessa puxou os óculos de sol sobre os olhos, enquanto se dirigiam para a praia.

*

Zac a viu imediatamente. Seu biquíni movia em sincronia com o seu corpo como se fosse líquido. Ele tinha quatro amarrações - dois nos quadris, um nas costas e um na nuca. Ele imaginou puxando e a deixando livre com dois movimentos rápidos. Só então ele percebeu que Vanessa tinha uma tatuagem - três símbolos japoneses alinhados sob o seu ombro esquerdo. 

Zac se perguntou o que eles queriam dizer e, em sua mente,  traçou as linhas delicadas com os dedos, fazendo-a tremer de desejo e expectativa.
Mas agora não era a hora para pensar nisso - primeiro, ele estava no trabalho e, segundo, o short laranja salva-vidas não era tão indulgente em disfarçar uma ereção, como seu short preto foi.

Se Ashley estava tão desconfortável com ele e Vanessa se envolverem, então por que a trazer bem aqui? Vinte metros de distância de seu posto? A praia era tão grande, que poderia ter ido a qualquer lugar e ele nem saberia.
Mas cara, ela estava gostosa...

Pensando bem, ele não estava tão triste que elas vieram aqui. Lisa era uma garota muito atraente, e ainda assim ele conseguiu manter a amizade com ela durante anos, nunca sequer tendo a ideia de levar as coisas mais longe. Talvez ele pudesse fazer a mesma coisa desta vez também.

Zac percebeu que estava encarando, quando Ashleyu acenou para ele. Era melhor ir e dizer “oi”.

— Ciao, bellissimi ragazze — disse ele, a beijou em ambas as bochechas. Dar beijinhos em Ashley tudo bem, ele tinha feito isso milhares de vezes. Mas no momento em que ele tocou os lábios no rosto de Vanessa, ele amaldiçoou a tradição italiana. Era para ele beijá-la a cada vez que a visse, e não sentir nada? Seu corpo parecia pensar sozinho e se mover para ela. No momento em que tocou a costas de Vanessa ela derreteu, e instintivamente colocou a mão em seu abdômen.

Era como se seu corpo agisse por vontade própria. Sim, eu sei como soa.

— Como vai? — Ele perguntou, quando a tortura do beijo de saudação tinha acabado.

— Tudo bem. Decidimos trabalhar o bronzeado de Vanessa hoje.

— Sim, você precisa disso. Você está pálida. — ele brincou e encontrou seus olhos pela primeira vez.

Pálida e sem falhas.

— Hey! — Vanessa protestou e ironicamente bateu-lhe no braço. Ele faria qualquer coisa para ter aquelas mãos em todos os lugares em seu corpo. — Eu moro em Londres, lembra?

Um grupo de rapazes passou e, é claro, quase quebraram o pescoço para olhar para suas meninas.

Isso ia ser muito mais difícil do que ele imaginava. Elas estariam vindo para cá o tempo todo, usando quase nada. Ele era uma pessoa forte, mas não era feito de pedra. Mais cedo ou mais tarde ele ia rachar.

Ele precisava de uma distração. Do tipo feminino. E rápido.

*

Zac estava ali em pé, atirando punhais a cada cara que passava e efetivamente os expulsando. Como Vanessa poderia ter um encontro?

— Não finja que você não gosta disso.

Com ele tão perto, seu corpo elevando-se sobre ela e seus olhos azuis queimando, Vanessa não conseguia pensar direito. E ainda por cima, quando ele falava em italiano com aquela voz sexy, ela sentiu fogos de artifício explodir em seu peito.

— Vocês tem planos para hoje à noite? Eu vou sair com Beppe e Gia para comer alguma coisa e talvez ir para um clube mais tarde. Vocês querem vir?

Ashley olhou para Vanessa em uma pergunta silenciosa - ela queria ir, mas obviamente tinha visto a reação de sua prima a Zac e agora não tinha tanta certeza de que era uma boa ideia. Vanessa odiava que a fizesse se sentir dessa maneira. Ela não queria separar Ashley de seus amigos - era ruim o suficiente que ela estava com dois empregos no verão e não poderia passar tempo suficiente com eles, sem esse acréscimo.

— Claro. Nós não temos planos. Gostaríamos muito de ir. — Vanessa tentou arrancar seu sorriso mais amigável, mesmo que ela sentisse qualquer coisa, exceto amigável em relação a Zac. Será que ele precisa ficar tão perto dela?

— Tem certeza que você está bem com isso? — Perguntou Ashley, quando Zac voltou para seu posto.

— Sim, absolutamente, eu adoraria sair e me divertir um pouco. Talvez eu possa encontrar um cara bonito e arranjar um encontro. — Ela piscou para sua prima, e viu o seu sorriso de alívio.

O resto da tarde passou voando. Quando chegaram em casa, Vanessa percebeu que a pele dela estava corada do sol. Suas bochechas estavam agradavelmente rosadas e se olhasse bem de perto, ela até poderia ver as marcas bronzeadas nos quadris e costas.

Vanessa tomou um banho, tomando cuidado extra para lavar toda a água salgada de seu cabelo. Quando ela saiu do banheiro, ainda tinha cerca de uma hora antes delas saírem. Maquiagem nunca tinha sido seu forte - menos era mais - é o que ela sempre pensou. Mas tendo em vista que ela estava saindo, Vanessa decidiu fazer um pouco de esforço extra. Ela hidratou todo o seu corpo e usou base com cor no rosto para complementar seu bronzeado. Então ela experimentou o delineador e duas camadas de rímel, até que ficou satisfeita com o resultado. Com olhos esfumaçados assim, os lábios dela teriam que ficar sem nada, por isso ela colocou um pouco de gloss claro e sorriu  para seu reflexo.

Agora, o problema número dois - o que vestir? Vanessa precisava de algo sexy, mas casual e elegante, e não muito formal. Depois de esvaziar metade do conteúdo do guarda-roupa em cima da cama, ela escolheu um top de paetês preto que fechava no pescoço, e caía solta em torno do corpo e short preto que abraçava seus quadris e chegava bem acima dos joelhos. Seu cabelo cor de mel se destacava muito bem com em preto, e Vanessa não fez muito para mudar o seu estilo habitual. Ela só secou e o deixou cair sobre os ombros em ondas incontroláveis. Parecia que tinha arrumado, mas tinha feito um sexo incrível e ficou assim.

Perfeito.



Pegando as sandálias de salto alto na mão, ela abriu a porta do quarto, assim que Ashley estava prestes a bater. Sua prima estava incrível - um vestido perfeitamente cortado em estilo império simples em azul e vermelho. Ela amarrou os cabelos loiros em um rabo de cavalo, acentuando os ombros magros.

— Você está incrível! — ambas falamos ao mesmo tempo e rimos.

— Não, sério, Vanessa, eu nunca te vi assim. Você não costuma usar maquiagem e eu nem sabia que você sabia como usar delineador.

— Não é ciência da nasa, não é? Você está sexy, Ash! Eu não posso acreditar que você ainda não agarrou um homem italiano sexy.

Ela quis dizer isso como uma piada, mas algo brilhou na expressão de Ashley. Algo como tristeza e talvez arrependimento. Foi apenas por um segundo e depois foi embora, um sorriso substituindo e apagando todas as provas.

— Vamos sair e corrigir esse erro, então. — ela disse, e puxou a mão de Vanessa.

— Você tem um ótimo ponto.

*
Eles tinham organizado em se encontrar na Piazza de Ferrari, ao lado da fonte. Desde que era a maior e mais popular praça da cidade, ela estava borbulhando com pessoas, no momento em que Vanessa e Ashley chegaram.

No momento em que Zac a viu, ele sabia que essa ia ser a noite mais difícil da sua vida. Em muitos aspectos.

Vanessa estava quente. Não, isso não era uma palavra boa o suficiente para descrever seu fascínio. Ela parecia mais quente do que o mais profundo poço do fogo do inferno.

Suas pernas continuavam para sempre no short e salto alto. O top que ela usava brilhava e imitava todos os seus movimentos. Seus olhos de lobo estavam em chamas e perfeitamente acentuados pela maquiagem escura.
Zac não conseguia tirar os olhos dela. Ele queria tecer seus dedos através de seu cabelo selvagem, pegar seus lábios nos dele e não parar até que ele explorasse cada centímetro de seu corpo. Com sua língua. Duas vezes.

Beppe foi o primeiro a cumprimentá-las, com um abraço e um beijo. Ele estava praticamente brilhando com prazer. Ele murmurou alguma coisa quando beijou cada uma dela e elas riram. Em seguida foi Gia, que estava em uma de suas raras noites de folga e estava realmente satisfeita em ver as meninas. E, em seguida, foi a vez de Zac. Ele deu a Ashley um abraço e um beijo e elogiou-a. Felizmente, no momento em que foi cumprimentar Vanessa, Beppe, Gia e Ashley estavam envolvidos em uma conversa animada e estavam se dirigindo para o restaurante ao longo da rua movimentada.

Vanessa estava na frente dele, observando-o com a mesma apreciação e valorização que ele tinha por ela. Na verdade, ele tinha feito um esforço especial esta noite e abandonou sua calça jeans desbotada e camiseta por jeans Diesel e uma camisa de manga curta Calvin Klein.



— Ciao, Zac. — disse ela, e colocando a mão em seu ombro, inclinou-se para beijá- lo na bochecha. Ele cheirava tão bem – doce, limpo e fresco, como uma manhã de primavera.

— Você está linda, tesoro. — ele sussurrou em seu ouvido, pouco antes dela se afastar. Seus lábios se separaram, como se quisesse dizer alguma coisa, mas nada saiu. Vanessa olhou para ele, diretamente para ele, e ele nunca se sentiu mais vulnerável, como se ela pudesse ler todos os seus pensamentos.

— Você não parece tão ruim também. — ela disse finalmente, com um sorriso irônico. Ela acenou para os seus amigos em um silencioso “Vamos?” E, apertando a mão na parte inferior das costas dela, Zac a levou ao longo da Via XX Settembre e para o restaurante.

Esta noite ia ser ainda mais difícil do que ele havia pensado inicialmente.

*
A música no clube era tão alta que Vanessa mal podia ouvir seus próprios pensamentos. Eles estavam sentados em uma mesa privada com um enorme sofá de veludo montado em um semicírculo. A hostess era amiga de Beppe, e eles não tiveram que esperar para entrar. Foi um bônus que eles também conseguiram uma mesa VIP, depois de Beppe sussurrar algo em seu ouvido que a fez corar.

Todo mundo estava de ótimo humor. O jantar tinha sido divertido - a comida era incrível e a conversa fluiu bem. Vanessa tinha descoberto que Beppe estava estudando Direito na Universidade de Gênova, e sua boca estava entreaberta com surpresa por alguns longos momentos.

— Você vai ser advogado? — Ela perguntou, olhando para ele, incrédula.

— Yeah. Por quê? Eu não me pareço com um advogado para você? — Ele disse e piscou para ela.

— Não, não realmente. Não com todas as tatuagens, piercings e barba de cinco dias.
— Eu escondo as tatuagens sob o terno. — ele disse, e riu como se fosse óbvio.  — E eu removo todos os meus piercings, incluindo este. — Ele estalou o piercing da língua com a parte de trás de seus dentes e deu a Vanessa um de seus olhares mais sedutores. Ela corou e desviou o olhar - Beppe poderia ser descaradamente paquerador quando ele queria. Não admira que a maioria das mulheres se apaixonasse por seu charme em dois segundos.

Ela também descobriu que Gia amava seu trabalho no restaurante. Seu chefe era um famoso chef e empresário, e mesmo que colocasse muita pressão em sua equipe, ela tinha a honra de trabalhar para ele. Nesse ponto Beppe tinha murmurado algo que soou como — um idiota com um ego gigante — mas ninguém prestou atenção nele, porque  Gia continuou a falar animadamente sobre o quão demais era seu chefe e seu trabalho.

O vinho foi fluindo e até o final do jantar todos tinham tomado pelo menos duas taças. Vanessa tinha se mantido a suco de laranja e ninguém lhe tinha provocado sobre isso - eles devem ter se acostumado a sua existência não alcoólica.

Zac se sentou o mais longe possível dela. Ele falou, sorriu e comeu a sua comida, mas ele não tinha conversado com ela ou sequer olhado em sua direção. Isso a deixou arrasada. Não só porque ela desejava sua atenção como o oxigênio, mas também porque ele tinha virado cento e oitenta graus em questão de minutos. Primeiro, ele a tinha cumprimentado como se quisesse saltar sobre ela ali mesmo na rua, e então ele a ignorou completamente.

Agradeça a Deus pela música alta aqui!

Vanessa estava tão doente do excesso de pensamento, que ela só queria parar de pensar completamente e se soltar. Havia algo sobre música alta e pouca luz que deixa as pessoas esquecerem seus problemas e inibições - e isso era exatamente o que ela pretendia fazer.

Ashley puxou sua mão e sussurrou “Venha”, enquanto a levava para a pista de dança lotada, onde Gia já estava balançando ritmicamente no ritmo da música. Era house mix, o que não era o que Vanessa costumava ouvir, mas para a noite era perfeito. Poucos minutos depois, ela havia perdido completamente a si mesma na dança - a música alta e monótona ecoando através de seu corpo.

Ela sentiu a mão de Ashley em seu braço e se virou para sua prima. Não houve oportunidade de ouvir o que ela queria dizer, então elas recorreram a gestos e muita leitura labial. Ela apontou para a sua mesa e fez um movimento de beber com a mão e boca. Vanessa assentiu com a cabeça e voltou para a mesa.

Quando elas se aproximaram, perceberam que não estavam apenas Zac e Beppe sentados lá. Houve um acréscimo de cinco pessoas - três meninas e dois rapazes - que estavam sentados confortavelmente em sua mesa e tentando falar com o outro. Tratava-se principalmente de se inclinar e gritar no ouvido, bem como  gestos animados. Era muito engraçado de se ver. Até os olhos de Vanessa fixarem em uma garota que estava sentada tão perto de Zac que estava praticamente em seu colo. Eles se revezaram para gritar nos ouvidos de cada um, seguidos por sorrisos e acenos.

Não havia nada de engraçado nisso.

O ciúme tomou conta de Vanessa e superou todos os outros sentimentos e sons. Ela queria ir até lá, puxar a vadia pelo cabelo e arrastá-la para longe. Mas ela não ia fazer isso. Se ela tinha aprendido alguma coisa nesta vida, era que um cálculo cuidadoso e uma ação inteligente sempre ganha da raiva cega.

Ela seguiu Ashley até a mesa e viu uma garrafa fechada de suco. Devia ser para ela, já que todos os demais estavam tomando cocktails e, além disso, tinha sido a sua bebida eleita para essa noite no restaurante. Estava muito barulhento para ela sequer tentar perguntar a alguém se era para ela, então ela o pegou, tirou a tampa e bebeu metade da garrafa de uma vez. O líquido frio se espalhou dentro de seu corpo e a fez sentir incrivelmente bem contra o calor no clube.

Quando ela abaixou a cabeça e tirou a garrafa de seus lábios, ela notou que Zac estava olhando para ela. Sua amiga estava dizendo algo em seu ouvido e ele parecia satisfeito. Muito satisfeito. Vanessa levantou a garrafa para ele em um silencioso “brinde” e ele imitou com o copo. A menina que vinha falando entusiasmadamente com ele há alguns segundos, se afastou de sua orelha, e agora estava olhando para ele como se esperasse uma resposta. Ele nem sequer percebeu que ela tinha parado de falar. Zac estava com o olhar intenso fixo em Vanessa, e ela não podia se obrigar a desviar, mesmo que quisesse desesperadamente. A menina franziu a testa e fez beicinho, e olhou entre ele e Vanessa, sua carranca aprofundando.

Bem na hora, Beppe apareceu ao lado de Vanesa e, puxando-lhe a mão, levou-a a poucos metros de distância. Ele a colocou na frente de um cara e saiu. Este era, provavelmente, o único método de apresentação possível em um ambiente tão barulhento. O rapaz se inclinou para ela e disse:

— Oi, eu sou Ricardo. — em italiano. — Você pode me chamar de Rico. — Mesmo com a música alta, Vanessa podia ouvir o “r” rolando em sua língua.

— Vanessa — disse ela, enquanto se inclinava para responder. Ele cheirava bem e não parecia tão ruim. Não que ela pudesse ver claramente na luz fraca, mas o que ela viu aprovou- ele era alto, bem vestido em jeans escuros e uma camisa, e tinha olhos azuis de bebê que eram visíveis mesmo no escuro.

— Quer dançar? — Perguntou ele, inclinando-se, mas não se afastou imediatamente. Ele permaneceu ao lado de seu ouvido um pouco mais do que o necessário, e Stella não tinha certeza de como se sentia sobre isso. Ele parecia bom o suficiente e ele parecia bonito, mas...

Mas ele não era Zac. Ele não faz o meu interior girar em desordem com um único olhar.

Pensar em Zac, a fez virar a cabeça em sua direção instintivamente, e ela viu que ele não estava prestando atenção nela ou em seu companheiro. Zac tinha retomado sua conversa com a menina e parecia que as coisas estavam progredindo bem para ele, porque sua mão estava em sua coxa nua e ela estava gostando claramente isso.

Se Vanessa fosse uma personagem de desenho animado, seus ouvidos estariam liberando vapor agora, porque ela estava fervendo de raiva por dentro. A solução, no entanto, estava bem na frente dela. Ela sorriu docemente para Rico e o deixou levá-la para a pista de dança.

Isso era bom. Dançar e não pensar sobre as coisas. Ela iria desfrutar da companhia deste belo cara e esquecer Zac e Miss sacanagem. Como se lesse seus pensamentos, Rico rodeou a sua cintura com as mãos, e eles mudaram juntos o ritmo. Quase não havia espaço entre seus corpos enquanto dançavam, e logo Vanessa começou a apreciá-lo. Rico era um bom dançarino - sem esforço e muito ritmo. Ele girou em torno dela e, colando-se a ela por trás, colocou as mãos nos seus quadris.

Eles dançaram o que pareceram horas - mudando constantemente de posição, e não falando uma única palavra. Vanessa queria desviar seus pensamentos de Zac e ela o fez dançar com Rico parecia certo. Legal. Ela deixou todos os pensamentos conscientes partirem, e tudo o que ela tinha que sentir era o corpo de Rico ao lado dela e o ritmo da música.

*

Zac não podia acreditar em seus olhos quando Beppe arrastou Vanessa para apresentar Rico. As meninas amam Ricardo. Ele era charmoso, bonito, bem comportado e fácil. Ele nunca foi conhecido por manter uma namorada por mais de 15 dias. E ainda o amavam, porque, dizia que nesse tempo, ele sabia como se divertir.

Então era isso que Vanessa queria? Diversão sem amarras? Então Rico era perfeito para ela.

Eu vou matar Beppe, aquele idiota.

Seu amigo sabia muito bem que Zac queria Vanessa para si mesmo. Eles nunca tinham discutido o assunto, mas Beppe sempre poderia lê-lo como um livro  aberto. Desde que eles eram crianças, não havia nada que Zac poderia fazer nas costas dele, porque Beppe sempre estava dois passos à frente. Ele apenas o conhecia muito bem.

Rico levou Vanessa para a pista de dança e começaram a mover-se com a musica. Em todo momento ele estava em cima dela - girando em torno dela, tocando os ombros, cintura, braços e pescoço. A pior parte foi que ela parecia se divertir. Ela iria se afastar, se ela não quisesse, certo?

Zac estava com ciúmes. Pela primeira vez em sua vida, ele sentiu um ciúme avassalador que consumiu todos os seus pensamentos racionais. Ele queria afastar Rico para longe de Vanessa e socá-lo, até que o cara precisasse de uma reconstrução facial.

Mas ele não fez isso. Em vez disso, ele levou Antônia para a pista de dança, que alegremente, passou os braços em volta dele.

Dois poderiam jogar esse jogo.

Só que ele não tinha certeza de qual era o jogo exatamente. Ou até mesmo se realmente era um jogo.

*

Vanessa foi abruptamente puxada de volta à realidade, quando Rico varreu seu cabelo na frente de seu ombro esquerdo e deu um beijo suave na parte de trás de seu pescoço. Não era desagradável, não muito. Ela ainda tentou gostar. Ela podia sentir exatamente o quanto ele gostava.

Infelizmente, com os olhos retornando a realidade ao seu redor, a primeira coisa que viu foi Zac dançando com aquela garota. Seu corpo se movia com tanta graça, totalmente a vontade na pista de dança. Era hipnotizante, e Vanessa não conseguia desviar o olhar.

Ela sentiu um beijo no pescoço, mas desta vez houve até um pouco da língua. Seu cérebro começou a gritar para ela fugir, mas estava hipnotizada por Zac e a maneira como ele se movia. Ela desejou que fosse o seu corpo que estivesse por trás dela e seus lábios que a estavam beijando. O pensamento causou arrepios na espinha, apesar do calor, e ela viu arrepios aparecerem em seus braços.

E, em seguida, todo o seu mundo desmoronou no chão.

A menina que Zac estava dançando com os braços ao redor do pescoço dele, o puxou para um beijo. Ele estava dentro. Ele a beijou de volta.

Vanessa sentiu como se estivesse prestes a desmaiar e desculpando-se, deixou Rico sozinho na pista de dança e voltou para sua mesa. Ela precisava sair daqui. Agora.


*
Quando Zac viu Rico beijando Vanessa na parte de trás do pescoço, a raiva fervia em seu sangue e os punhos doíam por bater em alguma coisa, de preferência o rosto  de Rico. Ele queria arrancar a língua do bastardo e fazê-lo engolir de volta. A raiva que ele não sentia há muito tempo tomou conta dele, e ele sentiu seus músculos tensos e preparados para uma luta.

Ele foi pego de surpresa quando Antônia o beijou. O toque dos lábios o trouxe de volta à realidade. Aos poucos, seu corpo aliviou e ele foi capaz de formar alguns pensamentos razoáveis. Vanessa não era dele. Ela poderia beijar quem ela gostava. Ele não deveria ter ciúmes e definitivamente, ele não deve atacar qualquer pessoa que se aproximava dela.


Zac deixou-se ir e se perdeu no beijo de Antônia. Ele foi junto com isso por um tempo, porque o que ele realmente precisava agora era gostar. Ele queria sentir algo por Antônia, mesmo que fosse uma fração do desejo que sentia por Vanessa. Ele precisava tirá-la da cabeça e Antônia parecia ser a pessoa perfeita para fazê-lo.

No entanto, não deu certo. A menina era esperta, ela afastou-se logo que não sentiu nada dele, apenas a mecânica em movimento de seus lábios e língua. Sorrindo para ele com uma mistura de entendimento e arrependimento, ela virou-se e deixou-o sozinho na pista de dança.


Ele olhou ao redor, mas Vanessa tinha ido embora.


♥♥♥

Olá meninas!
Me desculpem pela demora,
mas aqui esta o capítulo!
Comentem,por favor,
estou começando a pensar que vocês 
não estão gostando da história!!!
Até mais,xoxo

7 comentários:

  1. Estou amando essa história. Simplesmente perfeita!!

    ResponderExcluir
  2. Tá maravilhosa!!!! História perfeita
    Continua logo em

    ResponderExcluir
  3. A fic esta perfeitaa e não vejo a hot de Zanessa ficarem juntos, porem vejo que os amigos estão fazendo de tudo para afastá-los deste contato. Bjoss posta mais logoo

    ResponderExcluir
  4. Muito pelo contrário eu estou simplesmente apaixonada pela fic... Muitas vezes abro leio no onibus ai nao consigo comentar na hora e acabo esquecendo depois mas eu estou amando a fic...
    Por sinal que capitulo hein!? Ameiiiii
    Aguardo ansiosamente pelo próximo capitulo ta!?
    Beijooos

    ResponderExcluir
  5. Aiii que fofos os dois com ciúmes quero eles juntos logo,posta mais tô adorando

    ResponderExcluir
  6. Aiii que fofos os dois com ciúmes quero eles juntos logo,posta mais tô adorando

    ResponderExcluir