quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Capítulo Seis

Vanessa não dormiu bem naquela noite. Suas emoções estavam por toda a parte, e a cada vez que fechava os olhos, ela via Zac beijando aquela garota.
Às 6 da manhã, ela não aguentava mais e se levantou. Ela fez a única coisa que poderia ajudar a limpar sua mente - ela colocou suas roupas e tênis e foi para a praia. Ainda estava frio lá fora, e Vanessa apreciou o ar refrescante e o silêncio das ruas. Toda a cidade ainda estava dormindo. Quando ela chegou à praia, o sol estava um pouco acima do horizonte, e a água estava se movendo de forma pacífica e criando pequenas ondas, como se também ainda estivesse sonolento.

Vanessa alongou por alguns minutos, antes de iniciar vagarosamente a corrida. Um flashback da última vez que ela tinha corrido fez o seu caminho até seu lóbulo frontal. Não havia jeito que ela algum dia conseguisse correr sem pensar em Zac. No entanto, ela não podia se dar ao luxo de não correr, assim, a sua malhação estava arruinada, porque mesmo que ela não quisesse pensar nele, ela o faria.

Ontem à noite tinha sido uma revelação. Zac estava atraído por ela, é verdade. Mas ele também era um cara que, intencionalmente, faria de tudo para não decepcionar seus amigos. Então, ele foi em frente.

Vanessa estava feliz. Mais ou menos. Bem, ela não estava muito feliz, e estava com ciúmes pra caralho, mas ela também percebeu que era assim que deveria ser. Isso era o melhor. Agora eles poderiam olhar além de sua atração e sair juntos. Ser amigos.

Quantas vezes ela tinha usado essa palavra nos últimos dias? E para que? Ela nunca tinha feito nada para tentar conhecer Zac melhor, ela tinha? Tudo o que ela tinha feito era implorar pelo seu toque como o ar, pensar como seria o gosto dos seus lábios, e saborear a maneira como ele a apreciava com aqueles olhos hipnotizantes. Não era muito simpático. Alguma vez lhe perguntou alguma coisa? Fez um esforço para saber mais sobre ele? Não. Bem, chegou a hora de corrigir esse erro.

Agora que ele mudou e começou a beijar meninas em clubes na frente dela, não havia perigo deles ultrapassarem a linha da amizade. Ela ia chama-lo para jantar hoje à noite e, ter uma conversa, de verdade.

Vanessa estava tão absorta em pensamentos que não notou o quanto ela tinha  corrido. Seus pulmões estavam queimando, suas pernas pareciam gelatina e ela podia sentir a dor começando a se formar no pé lesionado. Tinha estado OK ontem, mesmo depois de passar a noite em saltos, mas agora a ferida estava começando a latejar de dor. Ela diminuiu o passo e, em poucos minutos, desacelerou para uma caminhada. Pegando a garrafa de água, bebeu metade dela e sentou-se na areia para alongar. No máximo, ela estaria caminhando de volta. Não haveria mais corrida para ela hoje.

Vanessa abriu as pernas bem abertas, tanto quanto elas poderiam ir, e trouxe toda a sua parte superior do corpo para a frente até que o peito estava tocando a areia. O alongamento a fez sentir-se incrível! Ela poderia ficar assim para sempre...

— Ciao — disse alguém, diante dela, o que a fez sentar-se abruptamente. — Você é bem madrugadora, não? — Zac disse, um sorriso malicioso nos lábios. Mais uma vez ele estava usando apenas short, e seu peito estava brilhando com o suor de sua própria corrida.

— Eu não dormi bem na noite passada e queria limpar a minha cabeça. Eu não costumo correr tão cedo. — disse Vanessa, olhando para a tatuagem em seu quadril de perto. A parte que ela podia ver era "A vida é uma" e o resto estava escondido sob o short.

— Eu também. — Ele pegou sua própria garrafa de água, e bebeu alguns goles.

Isso estava ficando muito estranho. Talvez a resolução que Vanessa tinha pensado não era tão genial, afinal. Ela não podia nem olhar para ele sem imaginá-lo com aquela  garota e seu ciúme penetrou muito perto da superfície.

— Eu tenho que voltar. — ela ficou de pé e se virou para ir embora. Zac agarrou seu braço e a girou de volta para ele.

— Vanessa, espere. — Ela olhou para sua mão a segurando e franziu a testa. 

Ele a soltou de imediato, mas seu olhar a manteve em seu lugar. — Por que você foi embora tão de repente na noite passada? Um minuto você estava lá dançando, e no próximo você se foi.

— Estou surpresa que você notou. Você parecia bem ocupado.

Droga!

Por que ela tinha que dizer isso? Ele não lhe devia nada. Ele poderia pegar cada menina, em cada clube e era problema dele.

— Eu queria ter certeza de que você e Ashley chegaram em casa a salvo. Você deveria ter avisado que estava indo embora.

— Nós somos adultas, Zac. Nós podemos voltar sozinhas para nossa própria casa, nós não precisamos de um cavaleiro de armadura brilhante para nos acompanhar.

Muito bem. Parabéns. Traga o sarcasmo para disfarçar o seu ciúme. Uma maneira perfeita de fazer um amigo!

— Eu sei. Apenas me faria sentir muito melhor se soubesse que vocês estavam em casa a salvo.

Vanessa se sentiu como uma cadela. Este grande homem estava diante dela, genuinamente preocupado que seus amigos chegaram bem em casa, e ela estava lhe dando respostas atravessadas. O olhar em seus olhos a fez se sentir ainda pior - era preocupação misturada com tristeza e vergonha. Ele sabia por que ela tinha partido - era perfeitamente claro para ambos. Mas ele não deveria se sentir culpado por causa dela.

— Você está certo. Sinto muito - deveríamos ter dito que estávamos saindo.
Zac assentiu e tomou outro gole de sua água, observando-a. Ela se sentia tão exposta sob seu olhar, como se ele pudesse ver tudo o que se passava na cabeça dela.

— Eu realmente deveria voltar... — disse ela, e começou a afastar-se dele.

— Espere. — Ele deu alguns passos para ela, antes que ela parasse. Vanessa sabia o que ele iria dizer, antes mesmo que ele abrisse a boca, e desejou que ela pudesse detê- lo.  Ela não merecia  um  pedido  de  desculpas  e  ela  não  queria  que  ele  sentisse  a necessidade de lhe dar um.

— Eu sinto muito.

— Zac, você não tem que...

— Não, eu preciso. — Ele interrompeu, e seus olhos estavam implorando que ela o ouvisse. — Eu sei por que você realmente saiu assim. E eu sinto muito. Eu fiz isso porque eu estava ficando louco vendo você com Rico.

— O quê?

— Eu nunca tive ciúmes na minha vida inteira, Vanessa. Cinco anos atrás, eu jurei que nunca bateria em outro homem, se não fosse para me defender, mas ontem à noite eu queria arrastar esse babaca do clube e bater nele até que houvesse apenas uma polegada de sua vida, porque ele tinha as mãos em você. E quando ele beijou seu pescoço... — Zac arrastou a mão pelo cabelo curto, lutando para encontrar as palavras. — Eu pensei que eu ia explodir, Vanessa. Se Antônia não tivesse me beijado para me distrair, Rico estaria no hospital agora.

Vanessa estava atordoada. Ela nunca esperava tal confissão.

— Eu não sei o que dizer. — Ela cruzou os braços, porque de repente ela sentia frio, apesar de que estava ficando ainda mais quente. Zac deu um passo na direção dela e ela teve de inclinar a cabeça para trás para olhar para ele.

— Eu não quero me sentir daquele jeito de novo e eu não sei o que fazer. Você não quer ficar comigo, mas é óbvio que não podemos ser apenas amigos.



— Não é que eu não quero ficar com você. Você não é um cara que uma menina usaria para alguma diversão de verão, Zac. E eu vou partir em dois meses. Isso não vai acabar bem e você sabe disso. Eu não vou colocar Ashley no meio disso , porque ela vai estar no meio, quer a gente queira ou não. Você também não iria querer colocá-la nessa posição, ela é uma de suas amigas mais próximas. Você está pronto para arruinar a sua amizade, por causa de uma atração que podemos ter um pelo outro?

E também, o meu câncer pode estar de volta.

— A única razão pela qual você não fica comigo é Ashley, certo?
Não.

— Sim. Minha mãe, Niki e Ashley são as últimas pessoas restantes da minha família. Eu me recuso a machucar qualquer uma delas.
Ele acenou com a cabeça, mas ficou claro que ele não estava satisfeito com a resposta.

— Olha, nós temos que tentar nos comportar como pessoas normais. Isto não é normal, Zac. Nós estamos deixando o outro louco, e nós nos conhecemos há apenas alguns dias. Você não sabe nada sobre mim, e vice-versa. Talvez pudéssemos tentar apenas nos conhecer melhor. Então, quanto mais tempo passarmos um com o outro, o mais provável é a atração comece a diminuir...

— Eu não posso, Vanessa. Isso tudo é novo para mim. Eu nunca me senti assim em relação a uma menina, nunca. Especialmente sobre uma garota que eu acabei de conhecer. Mas eu sei disso: se um cara se aproximar de você, eu não vou ser capaz de me controlar na próxima vez. Eu simplesmente não posso.

Isso significa que nunca seriamos capazes de sair juntos, e Ashley ficaria separada de seus amigos por causa dela. A culpa tomou conta de Vanessa e ela estava pronta para fazer qualquer coisa para manter Zac na vida de Ashley.

E na dela.

— Ok, e quanto a isso? Eu prometo que não vou dançar ou paquerar ou qualquer coisa com outros caras, enquanto você estiver lá.

Ele pareceu pensar sobre isso, antes que ele concordasse. Ele não estava muito feliz com isso, mas pelo menos era alguma coisa. Era a única solução possível para serem capazes de passar algum tempo juntos.

— Eu tenho uma condição, no entanto. — ela disse e sorriu maliciosamente.

— Claro que tem. — ele disse, e sorriu de volta.

— O acordo vale nos dois sentidos.

— Você, com ciúmes? — Zac levantou uma sobrancelha.

— Talvez um pouco. Você aceita ou não?

— Você tem um acordo, tesoro.

Será que ele tem que chamá-la assim? A combinação de sua voz, e ainda falando italiano era enlouquecedora.

— Que tal um jantar hoje à noite? Só você e eu. Nós podemos conversar.

— Eu não posso. Eu vou trabalhar.

— À noite? O turno dos salva-vidas não é até ás seis?

— Eu trabalho em um bar algumas noites por semana. Por que você não vem? Beppe vai aparecer em algum momento, e talvez Gia depois do trabalho.

— Claro. Ashley está trabalhando, também. Mande-me por mensagem o endereço, e eu vou estar lá.

*
Quando eles se separaram, Zac não podia acreditar que havia expressado seus sentimentos tão livremente na frente de Vanessa. Ele a conhecera há cinco dias, mas sentia como se fossem semanas - talvez até meses. Ela trouxe um lado muito aberto e honesto dele, Zac não poderia se ver tagarelando como um idiota por estar com ciúmes de qualquer outra garota que ele conheceu há cinco dias. Na verdade, qualquer outra garota, em qualquer período. Ele tinha vinte e dois anos de idade e teve dois relacionamentos - um por quase um ano, logo após seu pai ter morrido, e um por cerca de oito meses, quando ele tinha dezenove anos. Havia muitas meninas circulando nesse meio tempo, mas ele não chamaria isso de relacionamentos.

E ainda, com Vanessa, ele sentiu como se ele nunca tinha namorado ninguém antes. Tudo o que ele sentia era novo para ele - o ciúme extremo, o intenso desejo, o medo sem esperança de que ele nunca poderia estar com ela, a honestidade absoluta. Olhando-a nos olhos e dizer-lhe exatamente como ele se sentia parecia ser a única opção.

Zac mal podia esperar para conhecê-la melhor e descascar cada camada, até que ele chegasse ao âmago. Ele queria ter tudo dela, e não apenas o seu corpo ou a sua amizade. Ele queria seus medos, seus sonhos, seus segredos, seus desejos, seus pequenos hábitos irritantes - tudo isso.

Essa percepção o fez parar abruptamente. O que isso significa? Por que ele se sentia assim por alguém que tinha conhecido apenas há alguns dias? Será que isso realmente é importante, quanto tempo você conhece alguém, antes de você desenvolver sentimentos por eles? Havia um livro de regras ou algo assim? Tudo o que sabia era que ele não  podia deixar de sentir dessa forma.

Era o que era.

Ele precisava parar de super analisar isso, ou ele ficaria louco.

*
Quando Vanessa chegou em casa, ela tinha a casa para si mesma durante todo o dia. Niki estava trabalhando e Ashley estava compensando a sua ausência no dia anterior, indo para a galeria e a aula de arte em um único dia.

Tomar um banho parecia ser a primeira coisa a fazer. Quando ela secou os cabelos e vestiu um short e um top, ela pegou seu telefone e seu Kindle e saiu para o jardim. Sentada numa espreguiçadeira à beira da piscina, Vanessa chamou sua mãe e falou apenas por alguns minutos, porque ela estava no trabalho. Ouvir sua voz era realmente o que ela precisava. Ela sentia saudades de sua mãe, muito. Ela queria dizer a ela tudo o que estava acontecendo em sua vida agora, porque ela sabia que Gina seria capaz de ajudá- la a resolver a confusão em sua cabeça.

Ouvindo a admissão de Zac que ele tinha sentimentos por ela pegou Stella completamente desprevenida. Não era só desejo que ele estava sentindo. Você não sentia um ciúme doentio a ponto de querer machucar alguém, quando tudo que você queria era o corpo de uma menina. Em vez de estar feliz com isso, Vanessa estava confusa. Ela gostava muito de Zac. Sua atração por ele ia além do simples desejo por ele. Era por isso que ela não queria ceder a seus sentimentos - ela sabia com absoluta certeza que o que ela e Zac tinham era muito intenso para uma aventura.

Ela estava partindo em dois meses, e ela poderia ainda ter câncer. Depois de duas cirurgias, o câncer havia voltado. No entanto, os médicos por melhores que fossem, nunca poderiam ter certeza de que eles tinha conseguido retirar todas as células do câncer. Vanessa rezava todos os dias que ele não se espalhasse para outros órgãos desta vez - porque se o fizesse, ela não teria quase nenhuma chance de sobrevivência.

Como ela podia se permitir ter um relacionamento com um cara incrível e condená- lo a ficar com uma menina doente?

Vanessa balançou a cabeça, porque seus pensamentos tinham ficado muito mais sombrios do que ela imaginava. Sem pensamentos de câncer - que era a sua resolução quando veio para cá. Apenas se sentir normal e ter uma vida normal. Mesmo que fosse por apenas dois meses.

Ela agarrou seu Kindle e começou a ler. Logo, a corrida e a noite mal dormida cobrou seu preço, e suas pálpebras ficaram pesadas antes que ela cochilasse.

O som de mensagem de texto a acordou. Olhando para o telefone, Vanessa percebeu que ela tinha dormido por quatro horas. Sentindo-se revigorada e pronta para sair hoje à noite, ela pegou o telefone e leu o texto. Era de Zac - ele a estava avisando o nome e endereço do bar que iria trabalhar.

Por um segundo Vanessa se perguntou por que ele tinha dois empregos, nenhum dos quais parecia ser uma escolha de carreira. Ela não sabia muito sobre ele, sabia? Talvez se ela acrescentasse algumas camadas extras à sua personalidade, ela seria capaz de olhar além de seu abdômen definido e olhos castanhos apaixonantes, e realmente conhecê-lo.

Ela precisava ficar pronta. Reunindo todas as suas coisas, ela subiu as escadas, enviando uma mensagem a Lisa para avisá-la onde estaria, e se dirigiu para o banheiro. Seu cabelo estava em todo o lugar, porque ela tinha adormecido logo após lava-lo. Suspirando, Stella o prendeu em um rabo de cavalo e escovou os dentes. Então ela  colocou um pouco de maquiagem, pensando no que iria vestir. Ver Zac olhá-la do jeito que ele tinha olhado quando saíram ontem à noite, foi um enorme interruptor, mas ela não queria pressioná-lo hoje. Então ela escolheu um jeans - neutro o suficiente - e um top prata sem mangas, que não tinha nada de especial na parte da frente, embora as costas fossem decotadas quase até a cintura. Tudo preso por três fitas de cetim na parte de trás, que abraçava todas as suas curvas perfeitamente. Com seu cabelo em um rabo de cavalo bagunçado, a atenção era imediatamente atraída para suas costas nuas.

O salto alto seria demais, então Vanessa decidiu pelo mais baixo, usando sandálias pretas simples. Pronto. Tão casual quando possível.


Sua barriga roncou e se lembrou que não tinha comido desde esta manhã.  Descendo para a cozinha, ela fez um sanduíche e bebeu quase uma garrafa inteira de água. Cerca de dez minutos depois, ela sentiu completa, hidratada e animada para sair.

9 comentários:

  1. Gente do ceu que fic mais perfeita,que lindinho o Zac já tá apaixonado e Vanessa tbm aii já quero eles juntos posta mais logo please

    ResponderExcluir
  2. Gente do ceu que fic mais perfeita,que lindinho o Zac já tá apaixonado e Vanessa tbm aii já quero eles juntos posta mais logo please

    ResponderExcluir
  3. Louca pra saber o que vai dar esse encontro deles...
    E nao vejo a hora deles ficarem juntos...
    Estou cada dia amando mais essa fic ❤
    Posta mais por favorzinho...
    Beijoos

    ResponderExcluir
  4. Louca pra saber o que vai dar esse encontro deles...
    E nao vejo a hora deles ficarem juntos...
    Estou cada dia amando mais essa fic ❤
    Posta mais por favorzinho...
    Beijoos

    ResponderExcluir
  5. Ai que tudoo, o Zac e a Vane já estão apaixonados. A fic esta perfeitas, amei o capitulo e estou gostando cada dia mais. Bjoss posta mais logo

    ResponderExcluir
  6. Eles apaixonados... Que lindooo! Posta mais linda. Amando por demais sua fic. ❤

    ResponderExcluir
  7. Essa declaração ❤️❤️ Que perfeito velho...
    Dá pra entender o lado da V, com certeza. Mas acho que ela tem que arriscar, acho que os dois têm que arriscar. Espero que eles fiquem juntos logo... Ou pelo menos uns beijinhos né amiga? PF KKKKKKK. Os capítulos estão ótimos, continua amor ❤️❤️

    ResponderExcluir