terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Capítulo Doze

Vanessa tinha gritado tão alto, que estava quase sem voz. Ela soava como uma atendente de sexo, como Zac tinha apontado. Beppe tinha amado a comparação e tentou fazê-la dizer coisas sujas.

O jogo foi incrível. Desde que era um jogo de caridade, as duas equipes jogaram inteiramente para os torcedores. Cada time havia marcado quatro gols, e Vanessa se perguntou se eles haviam combinado em terminar com um empate.

No momento em que o apito soou, toda a tensão fluiu de Zav e ele estava em pé, aplaudindo e gritando. Vanessa e Beppe tinham seguido o exemplo. Após o primeiro gol do Gênova, Zac tinha jogado os braços em torno de Vanessa, levantou-a e a girou em um círculo. Em seguida, ele beijou a bochecha dela, e a olhou como se quisesse fazer muito mais, mas Vanessa tinha se afastado. Ela podia imaginar os olhares que iriam receber de todos, se ele a tivesse beijado ali mesmo.

Após o término da partida, Beppe sugeriu que fossem comer em algum lugar, e houve uma concordância geral, já que todos estavam morrendo de fome. O jantar foi rápido, porque, Beppe sugeriu mais uma vez, irem a um bar de karaokê, e eles estavam muito animados para perder tempo com comida. Todos, exceto Vanessa, que não gostava bares de karaokê. E ela definitivamente não ia cantar esta noite. Não com sua voz de disque-sexo .

Então, meia hora depois eles estavam sentados num bar de karaokê, que tinha uma banda ao vivo: uma banda real, de quatro pessoas. Eles não usam música pré-gravada aqui, eles tocam para você. Beppe alegou que isso faz você se sentir como uma estrela de rock. Até agora não tinha sido muito ruim. A banda era ótima e estava muito  divertido, mas a noite tinha apenas começado. Vanessa se perguntou como o lugar ficaria depois que todo mundo estivesse em seu terceiro coquetel. Ou melhor, como soaria.

Gia e Zac tinham se registrado para fazer um dueto - “Kidz” por Robbie Williams e Kylie Minogue. Isso era a cara deles, como Ashley havia apontado com um sorriso. Ela mesma não iria cantar esta noite, mas parecia estar em um estado de espírito muito melhor. Beppe iria cantar também, mas ele não disse qual seria a música.

Depois de terem sofrido com um homem de meia-idade cantando “Let it be” e um grande número de sucessos italianos, era a vez de Gia e Zac. Sua versão de “Kidz” acordou todo o lugar. As pessoas estavam em pé, dançando e rindo. Beppe levou Ashley e Vanessa para a pista de dança, e de alguma forma conseguiu dançar com as duas sem perder uma batida. As mulheres no bar estavam mentalmente despindo-o, enquanto abertamente olhavam para ele. Ele não poderia ter se importado menos.

Quando a música terminou, ele agarrou Gia e a girou, enquanto ela ria. Por que os dois não formavam um casal? Eles pareciam perfeitos um para o outro.

Eles ficaram na pista de dança quando a banda começou a tocar uma versão acústica de Adele, “Set fire to the rain”, enquanto Vanessa e Ashley retornaram para a mesa. Zac se juntou a elas logo depois.

—Você foi ótimo, Zac. Eu não sabia que você tinha uma voz tão fantástica — Vanessa disse, e ele sorriu para ela.

— O quê? Você não percebeu na outra noite no carro, quando cantamos “Crazy”? —Vanessa sorriu e tomou um gole de sua sangria sem álcool, roubando um olhar para

Ashley. Ela estava olhando para os dois, mas sua expressão era  completamente  ilegível.

Talvez fosse uma boa ideia falar com ela sobre Zac. Elas não tinham falado sobre isso desde o primeiro dia em que se conheceram, e Vanessa não queria que sua prima se sentisse isolada, ou até mesmo enganada. Ela ia falar com ela amanhã, e dizer-lhe tudo sobre ela e Zac. Talvez ela tivesse alguns bons conselhos.

A música terminou e Beppe e Gia se jogaram em suas cadeiras, rindo. Só então, os primeiros acordes de “Amazing” do Aerosmith soaram, e Vanessa imediatamente levantou os olhos para Zac, que já estava olhando ansiosamente para ela. Em silêncio, ele ofereceu- lhe a mão e, quando ela o pegou, ele a levou de volta para a pista de dança. Ele a abraçou, enquanto ela descansava a cabeça em seu peito. Ele estava quente, forte e... Bem. Tanto quanto doía admiti-lo, ele a fazia muito bem.

—Essa é a minha música favorita do Aerosmith — ela disse.

—A minha também — ele disse, e ela sentiu-o sorrir.

—Eu acho que tem a letra mais precisa e inspiradora já escrita em uma canção — ela disse, e levantou a cabeça para olhar para seu rosto.

—Qual? — Perguntou Zac, mas seus olhos castanhos queimavam através dela, como se ele já soubesse o que ela ia dizer.

—A vida é uma jornada, não um destino.

Seus lábios perfeitos abriram lentamente em um sorriso, mas não o seu tipo usual de sorriso. Este era mais satisfeito - mais íntimo, de alguma forma.

—O quê foi? — Perguntou Vanessa, quebrando a cabeça com a reação dele.

—Eu acho que você está absolutamente certa. — Ele continuou a olhá-la daquela maneira estranha, como se ele soubesse algo que ela não sabia.

Vanessa notou Beppe caminhando até o palco, então ele provavelmente iria cantar agora. Ela realmente não o conhece o suficiente para saber que tipo de música que ele gostava, por isso a sua escolha da música seria uma surpresa completa. Zac seguiu seu olhar e revirou os olhos.

—Aqui vamos nós de novo — disse ele.

—O quê?

—Toda vez que Beppe canta as mulheres aqui enlouquecem. Ele tem uma voz incrível, e a usa a seu favor.

—Então, ele é absolutamente encantador e divertido, é um dançarino incrível, tem uma voz incrível e se parece com um modelo Calvin Klein. Há algo de errado com esse cara? — Vanessa disse e riu.

Zac franziu a testa, mas ele não estava com ciúmes. Era outra coisa, como se estivesse lembrando de algo.

—Há algo de errado com todo mundo — ele disse, enquanto olhava de relance para Beppe, que já estava segurando o microfone e se preparando. 

A multidão estava começando a se reunir na pista de dança e na frente do palco.

—Boa noite — disse Beppe, e sorriu quando se sentou num banco alto no centro do palco.

Ele está muito sério, Vanessa pensava. A banda começou a tocar e Vanessa imediatamente reconheceu a canção, era de Lenny Kravitz — “If you can’t say no”. O sorriso insolente de Beppe desapareceu e, fixando os olhos em Gia começou a cantar. Zac tinha razão: sua voz era incrível.

Quando Vanessa continuou a dançar com Zac, ela também roubou alguns olhares na direção de Gia. Havia alguma coisa acontecendo entre os dois, mesmo que ninguém quisesse admitir isso. Ela só não tinha certeza do que, uma vez que Gia estava olhando para Beppe como se quisesse matá-lo. 

Talvez essa música significasse algo para eles?  Em algum momento no meio da canção, ela sussurrou algo no ouvido de Ashley e, beijando seu rosto, saiu. Só isso. Ela nem sequer chegou a dizer adeus a eles, ou esperar Beppe terminar. Ele a viu sair, mas continuou a cantar de qualquer maneira.

Quando acabou, os três se juntaram a Ashley na mesa.

—Será que ela foi embora? — Beppe perguntou a Ashley. Ela assentiu com a cabeça, e olhou para ele de um jeito estranho.

—Porra — ele murmurou e pegando seu maço de cigarros, se dirigiu para a porta. Zac seguiu seu amigo com os olhos, sua expressão mostrando que ele estava um pouco inseguro sobre exatamente o que estava acontecendo. 

Então ele se levantou e foi atrás de Beppe, murmurando — Volto já — para Vanessa.

*

—O que aconteceu agora? Por que minha irmã saiu? — Zac estava irritado. Ele estava cansado da dinâmica estranha de sua irmã e seu melhor amigo. Eles ou estavam se abraçando, ou na garganta um do outro.

—Eu ferrei as coisas. Mais uma vez. — Zac olhou para Beppe em expectativa, esperando que ele elaborasse. — Hoje, antes do jogo, ela me disse que o idiota que ela trabalha, e, obviamente, tem tesão, e que trata toda a sua equipe como merda, beijou-a na noite passada. E agora ela está confusa sobre o que fazer a seguir.

—Eu posso imaginar o que você disse a ela. — Zac cruzou os braços na frente do peito.

—O que eu deveria dizer? Francesco Naldo é um idiota rico, que manipula todos ao seu redor. Se ele quer algo, ele pega e não se preocupa com as consequências. Agora ele está com os olhos em sua irmã, cara. Quanto tempo você acha que vai passar, antes de descartá-la como todas as suas putas?

—Você acabou de chamar minha irmã de puta?

—Não, e esse é exatamente o problema. Ela não é uma vagabunda. Ela realmente admira o cara. Mas eu duvido que ele queira algo mais dela do que levá-la para a cama.

—Por que ela não me disse nada disso? — Zac perguntou, sentindo deixado de fora.

Antes que seu pai morresse, Gia e ele costumavam ser muito próximos, mas depois eles simplesmente se afastaram. Não era como se não confiassem ou contassem um com o outro. Só que eles não estavam tão confortáveis um com o outro como costumavam ser. Eles não falavam mais sobre coisas pessoais, principalmente porque cada um tinha medo de descobrir como o outro realmente se sentia após a morte de seu pai. Posteriormente, tornou-se um hábito evitar falar sobre coisas que eram muito pessoais. Beppe tinha sido amigo de Gia desde que eram crianças, e Zac sempre soube que eles compartilhavam muita coisa, mas ainda doía saber sobre isso por Beppe e não Gia.

—Você sabe por quê. — Beppe deu uma tragada em seu cigarro.

—Então, eu ainda não entendo. Por que ela saiu? — Zac ainda estava confuso, porque o que Beppe acabara de lhe dizer , não explicava a saída repentina da Gia ou a escolha da música pelo seu amigo. Beppe soltou a fumaça que estava segurando e, lançando os olhos para Zac, disse:

—Eu disse a ela que ele só queria transar com ela. Ela ficou com raiva. Eu disse a ela que ele não é bom o suficiente para ela. Ela disse que ele é um grande homem de negócios e chef, com três restaurantes com duas estrelas Michelin. Eu disse que ele ainda não era bom o suficiente para ela. E então ela me perguntou quem eu achava que era bom o suficiente para ela.

Zac sempre soube que Beppe tinha sentimentos por Gia, mas nunca pensou que ele iria fazer alguma coisa sobre isso. Sua irmã precisava de um homem com os pés firmemente no chão - um homem que soubesse quem era, e que iria apreciá-la por quem ela era. Beppe não poderia lhe dar isso e ele sabia disso. Era por isso que ele só brincava com ela, nunca agindo sério sobre seus sentimentos.

—O que você disse?

—Nada. Eu não sou bom o suficiente para ela, Zac. Eu sei que ela sabe disso, você sabe disso, todo mundo sabe essa porra. E agora ela provavelmente vai pular na cama com aquele idiota. E é por isso que eu cantei essa canção. — Beppe jogou o resto do seu cigarro no chão e se afastou para o bar.

Balançando a cabeça, Zacx caminhou de volta para encontrar Ashley e Vanessa dançando com dois caras que ele não conhecia. Ele não podia deixá-las sozinhos por um maldito minuto antes dos abutres atacarem! Graças a Deus que não era uma música lenta e os caras tiveram a decência de manter sua distância. Se ele tivesse visto Vanessa dançando perto de alguém, como na outra noite com Rico, ele iria ficar louco.

O que havia de errado com ele? Ultimamente, desde que ela chegou, para ser exato, ele não conseguia reconhecer a si mesmo. Mudanças extremas de humor, crises de ciúmes esmagadoras, e um ardente desejo por ela... Ele nunca se sentiu assim antes. Ele não tinha ficado tão perdido assim nem mesmo quando o pai dele morreu. Aquilo foi despencar para baixo: sem emoções extremas, apenas um grande buraco negro interior, que crescia até que o consumia.

Agora, ele estava completamente perdido. Ele precisava dela e isso o deixava confuso e assustado.

Ele não sabia o que fazer.

*

Vanessa voltou para sua mesa para tomar uma bebida, enquanto Ashley foi para o banheiro. Zac estava de mau humor em sua cadeira e ela não tinha certeza se era  porque ela tinha dançado com aquele cara ou por causa do que tinha acontecido com Beppe lá fora. Deve ter sido ruim, porque ele não havia retornado com Zac, e estava brincando com seu telefone.

—Hey. Está tudo bem? — Ele olhou para ela com uma expressão confusa, como se ele não tivesse certeza se ela tinha falado ou não.

—Sim, está tudo bem. Só mandado uma mensagem para Gia. Ela quer que a gente se encontre em nossa casa depois do jogo de amanhã. Ela vai cozinhar. Você quer vir?

—Eu não perderia um dos famosos pratos da Gia — ela disse e sorriu, com a esperança de aliviar um pouco a tensão de Zac. Ele sorriu de volta, mas não alcançou seus olhos. — Zac?

—Eu estou bem, Nessa. Realmente. Eu só estou cansado. — Ele olhou para Ashley, que estava vindo na direção deles. — Vocês querem ir? — Elas assentiram, e deixando dinheiro na mesa para as bebidas, eles deixaram o bar.

Quando chegaram à casa de Ashley era tarde, mas a luz da sala ainda estava acesa. Niki não estava dormindo ainda. Eles pararam em frente à porta da frente, organizando quando e onde encontrar amanhã, quando ela abriu a porta.

—Oi, pessoal. Eu sabia que ouvi vozes — ela sorriu para eles. — Zac, querido, eu não o vejo há tempos! — Ela foi até ele e beijou-o na face.

—Hey, Niki, como você está?

—Eu estou bem. Eu falei com sua mãe hoje, ela me ligou para convidar para sua casa amanhã. Aparentemente Gia fará a comida?

—Sim, ela vai fazer. Mamãe adoraria ver você.

—Eu também. Eu não vejo Elsa há tempos. De qualquer forma, vou deixar vocês.
—Até amanhã, Zac — disse ela e entrou.

Ashley também entrou, dizendo adeus a Zac e deixando a aberta a porta para Vanessa.

— Então, eu acho que vou vê-lo amanhã — disse Vanessa, sentindo-se um pouco estranha apenas em ficar ali com Zac.

—Yeah. Boa noite, Nessa. — Ele se inclinou e beijou seu rosto. Ele não arrastou ou prolongou o seu toque. Foram dois beijos perfeitamente breves e sem emoção.

Enquanto ele caminhava de volta para o carro, Vanessa sentiu um impulso irresistível em fazê-lo sorrir. Ela queria tirar um pouco do peso que ele carregava, mesmo que ela não soubesse o que era.

—Ei, Zac! — Ela gritou para ele. Ele virou-se para encará-la.

—Sim?

Vanessa abriu um enorme sorriso. Foi o suficiente para fazê-lo sorrir também.

—Marque um gol para mim amanhã?


—Pode deixar. — Seu sorriso se espalhou em um sorriso completo, aquele que Vanessa tanto amava.


3 comentários:

  1. Caraca a cada capítulo eu fico mais apaixonada por essa fic...
    Ameiiii... E ja quero saber o que vai rolar nesse jogo e almoço...
    Posta mais logo por favorzinho 🙏
    Beijooos

    ResponderExcluir
  2. Gentee....estou ansiosa para ver Zanessa juntos logo, sem Rico, sem a Ashley, desaprovar o relacionamento deles. Estou ansiosa pelo almoço deles. Posta mais logo. Sua fic esta perfeita. Bjoss

    ResponderExcluir
  3. Mds como eu tava com sdds dá fic 😍😍 já estou ansiosa pra saber como vai ser o jogo é o almoço de amanhã. N vejo a hr de ver zanessa juntos ❤. N demore mto pra postar bjs 😘😘❤

    ResponderExcluir