quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Capítulo Quatorze

Eram 02hs quando Vanessa finalmente chegou à sua cama. Mesmo que ela estivesse exausta, não conseguia adormecer imediatamente. Os eventos do dia inundavam a sua cabeça e pareciam não ter nenhuma intenção de deixá- la descansar.

Ela dançou com Zac metade do álbum de Adele “21.” Eles não tinham falado, ele não tinha flertado. Eles apenas se abraçaram e moviam com a música, se perdendo completamente nela. Então ela o ajudou a fechar o bar e ele a tinha levado para casa.  No carro, ele não tinha feito qualquer movimento em direção a ela - nada de mãos dadas, nenhuma tentativa em beijá-la. Apesar disso, Vanessa não tinha de alguma forma sentido que ele tinha tentado distanciar-se dela. Pelo contrário: a vibração que ele estava emanando é que virou uma nova página, e seu flerte inocente acabou, com algo muito mais significativo tomando seu lugar.

Ou talvez seja apenas a minha imaginação.

Uma mensagem de texto em seu telefone a acordou. Era 07:00. Ela tinha dormido por quatro horas, no máximo. Resmungando, ela alcançou o criado-mudo e imediatamente sorriu.

Zac: Não foi possível dormir bem. Não posso car mais na minha cama fria e solitária. Gostaria de uma corrida?

Seu mau humor de manhã evaporou e ela digitou:

Vanessa: 15 min. Na praia.

Zac: Te vejo em 15.

Sua resposta foi imediata e, com isso o seu sorriso se alargou. Vanessa saltou da cama e se dirigiu para o banheiro.

Em cinco minutos estava pronta para sair. Ela escovou os dentes, penteou e domou seu cabelo em um rabo de cavalo, e vestiu seu short e top em tempo recorde. Decidiu contra levar seu iPod junto, porque ela teria Zac para lhe fazer companhia, Vanessa abriu a porta e, o mais silenciosamente possível, se arrastou escada abaixo. Não havia ninguém na cozinha e ela não queria acordar Niki e Ashley, de modo que ela não fez café. A máquina era muito barulhenta e iria alertá-las sobre os seus planos. Por alguma razão, Vanessa não queria que Ashley soubesse que ela estava iria se encontrar com Zac.

A conversa que tiveram ontem, foi uma confirmação de como Vanessa já suspeitava que Ashley se sentia. Mesmo que ela estivesse certa sobre tudo, e Lisa estivesse genuinamente preocupada com seus amigos, Vanessa não iria seguir seu conselho ou sua lógica. Ela simplesmente não podia. Não quando Zac estava aqui, abrindo-se para ela, querendo estar com ela. Ela não tinha intenção de afastá-lo, porque ele tinha sido a melhor coisa que aconteceu na sua vida por um bom tempo, e pela primeira vez, desde que podia se lembrar, Vanessa queria ser egoísta.

Viver o momento.

Porque a vida era malditamente curta.

A melhor coisa a fazer era deixar suas reservas longe e seguir seu coração.
Estava mais frio do lado de fora do que ela esperava. Vestir uma camisa de mangas longas, só para tirá-la quando estivesse aquecida, não era algo que Vanessa estava a fim de fazer. Ela decidiu aquecer rapidamente, e correu em direção à praia.

Seu pé estava como novo, ela não sentia dor alguma. Tinha sido uma boa ideia dar um descanso de alguns dias. Ela chegou à praia e percebeu que não tinha especificado o local exato para se encontrar. “A praia” era um termo muito geral. Vanessa lembrou que   nas duas vezes que tinha visto Max correndo, ele estava vindo a sua esquerda, então ela virou-se e seguiu esse caminho.

Seus músculos estavam se aquecendo por causa da corrida rápida até a praia, e Vanessa queria esticar um pouco para evitar qualquer lesão. Alcançando a água, ela abaixou-se com as pernas juntas, e tocou a areia. Inspire, expire. Então, ela levantou-se lentamente, levando os braços sobre a cabeça. Vanessa repetiu a sequência várias vezes, incluindo alguns alongamentos laterais. Sentindo-se pronta para ir, ela se virou para a esquerda e, lentamente, começou a correr.

Ela viu Zac imediatamente. Ele estava vindo em sua direção, correndo. Ele estava usando o short preto de costume, mas desta vez ele acrescentou um capuz cinza sem mangas, fechado sobre seu peito nu. O boné estava em sua cabeça e, se fosse possível, ele parecia ainda mais quente do que o habitual.
À medida que se aproximavam um do outro, ambos desaceleraram para uma caminhada.

—Oh, vamos lá! Sério? — Zac disse, quando ficou bem na frente de Vanessa. Ela olhou para ele confusa e ele apontou para a sua roupa. — Você não está tornando isso mais fácil para mim, querida. Short e um topzinho?

Ainda não entendendo do que ele estava falando, Vanessa olhou para si mesma e não viu nada de errado. Suas roupas eram curtas, mas era para a malhação. Seu top era bem justo, mas, novamente, era o que ela sempre malhava.

—Essa é a minha roupa de malhar fora. Lide com isso. — disse ela, e passando por ele com um sorriso, saiu correndo.

—E agora você está correndo na minha frente? Você está tentando me seduzir, tesoro?

—Se você parar de gemer e pegar o seu ritmo, talvez você seja capaz de correr ao meu lado, não atrás de mim. — disse ela, virando-se e correr de costas, enquanto olhava para Zac.

Houve um rápido flash de pura luxúria em seus olhos, mas depois a sua boca se espalhou em um sorriso lentamente preguiçoso. Aceitando o desafio, ele correu mais rápido e ficou facilmente ao lado de Vanessa. Ele correu na frente dela, e imitando sua posição anterior, ficou correndo de costas, brincando com ela,

—Oh, vamos lá, o que há de errado? Não pode me alcançar?

—Suas pernas são duas vezes mais compridas que a minha. Não há nenhum ponto. Você é mais rápido.

Zac levantou uma sobrancelha, surpreso com sua derrota fácil.

—Eu só tenho que descobrir outra maneira de vencê-lo. — disse ela, e sorriu. — Distração tem trabalhado muito bem para mim ultimamente.

—É mesmo? — Zac estava sorrindo sensualmente para ela, o olhar em seus olhos parecido com uma pantera diante de sua comida.

—Hum-hum.

Ainda correndo de costas, na frente dela, Zac lentamente abriu o moletom de capuz, seus olhos nunca deixando Vanessa. Ela sabia o que ele estava fazendo, mas ainda assim não podia evitar, ela olhou para o zíper quando ele caiu e revelou o peito de Zac. Involuntariamente, ela lambeu o lábio inferior, quando teve um vislumbre da tatuagem em seu quadril.

—O que diz? — Ela perguntou, apontando para a tatuagem, tentando limpar a neblina em sua cabeça que Zac tinha acabado de criar. Seu sorriso se transformou em um sorriso satisfeito, depois de ter conseguido o seu intento.

—O quanto você quer saber? — Seu olhar sedutor e predatório estava de volta, e ele diminuiu o ritmo, fazendo Vanessa retardar o dela, para encontrá-lo.

Ela estendeu a mão e passou os dedos sobre a parte que ela podia ver por cima do short. Zac abrandou o seu passo para uma caminhada, enquanto Vanessa lentamente enganchava o dedo indicador na cintura, guiando-o para baixo. Zac parou abruptamente, fazendo com que seu peito batesse contra ela, e pegou sua mão. Ela olhou para ele, o desejo cru em seus olhos fazendo sua barriga vibrar animadamente.

—Isso é certo, hein? — Sua voz era tão baixa, que era quase um sussurro. 

Vanessa assentiu em resposta, fixando os olhos em seus lábios. Ele soltou a mão dela e esperou. Sem olhar para a tatuagem, mas mantendo os olhos no seu rosto, Vanessa acariciou a pele por cima do cós da cueca e viu os músculos da sua mandíbula apertar. Ela deslizou a outra mão ao outro lado de sua cintura, e notou Zac apertando os punhos como se estivesse se contendo para não tocá-la. Ele então fechou os olhos e Vanessa sabia que ela o tinha exatamente onde ela queria que ele estivesse.

Com um movimento rápido, ela correu na frente dele, pegando o máximo de velocidade que podia, antes que ele se ligasse e corresse atrás dela. Olhando para trás, ela o viu correndo atrás dela e sorriu.



—Então, você quer jogar sujo? — Ouviu-o rosnar, e a próxima coisa que ela viu foi que ele a pegou no ar e jogou por cima do ombro.

—Ponha-me no chão, seu Neandertal. — ela gritou.

—Quando chegarmos à caverna, mulher. — disse ele e bateu em sua bunda.
Vanessa queria estar zangada com ele por tratá-la como uma boneca de pano, mas ela simplesmente não conseguia. A situação era tão engraçada que ela começou a rir incontrolavelmente.

Ele diminuiu a velocidade e se afastou da água, colocando-a em uma espécie de escada. Vanessa olhou em volta e viu que era um posto de salva-vidas. Zac se ajoelhou na frente dela, colocando as duas mãos sobre o degrau atrás dela, prendendo-a em seus braços.

—Você sempre joga sujo, ou eu sou exceção? — Ele estava tão perto que ela podia sentir sua respiração em seus lábios.

—Eu te avisei que eu ia encontrar outra maneira de vencê-lo. —Seus olhos viajaram até seus lábios.

Não lamba. Não lamba. Não lamba.

Vanessa lambeu os lábios.
*
Ela lambeu os lábios, porra!

Tudo o que Zac podia pensar era na sensação que teve, quando ele provou seus lábios na outra noite, quando a beijou. Mas ele não faria isso hoje. Ele convocou todo o seu controle, cada gota dele, até que ele sentiu que ia estourar tentando conter seu desejo por ela.

Vanessa estava observando, analisando a reação dele. Ele tinha notado antes como ela gostava de observar as pessoas e tomar notas mentais. Ela sabia que ele não estava tentando beijá-la, e pelo olhar curioso em seus olhos, Zac suspeitava que ela estava se perguntando o porquê.

Isso era exatamente o que ele queria que ela fizesse - se perguntar por que ele não iria beijá-la. Perguntar por que ele iria provocá-la até a beira do abismo, mas depois se afastar antes que eles caíssem. Se perguntar por que ele queria passar todas as horas com ela, mas não fazia nenhum movimento.
Zac queria que os pensamentos sobre ele fossem a única coisa a ocupar a cabeça de Vanessa. Quando ela estivesse tão desesperada por ele, como ele estava por ela, então ele ia fazer a sua jogada e fazer valer a pena.

*
—Eu acho que nós deveríamos voltar. — Zac sussurrou, tão perto de Vanessa que seus lábios quase se tocaram. Quase. E, em seguida, ele se afastou um pouco para trás.  A decepção nos olhos dela deve ter sido evidente porque um lampejo de hesitação atravessou seu rosto, mas ele se recuperou rapidamente e levantou-se, oferecendo-lhe a mão. — Vamos lá. Eu vou levá-la para casa.

—Você não precisa. — ela disse, em tom defensivo, mas ainda pegou sua mão.

—Eu quero. Eu tenho uma hora para matar antes de ir ao trabalho.

—Você vai trabalhar na praia depois do turno da noite passada?

—Yeah. E eu vou trabalhar no bar hoje à noite, eu prometi cobrir Francesco.

—Agenda apertada.

—Eu estou acostumado com isso. Além disso, minha resistência é lendária. — disse ele e balançou as sobrancelhas para ela. Vanessa bateu-lhe no peito com as costas da mão e riu.

A caminhada de volta para a casa de Ashley foi muito curta. Mas, novamente, cada tempo que passava com Zac parecia muito curto recentemente.

—Quer entrar? Eu vou fazer o café. — ela perguntou, quando eles chegaram à porta da frente.

—A menos que você me ofereça um chuveiro com o café, eu vou ter que recusar. Eu preciso voltar e ficar pronto para o trabalho. — disse ele, mas ainda segurava a mão dela. Zac estava dizendo que precisava ir, mas sua linguagem corporal falava algo completamente diferente.

—OK. Vejo você mais tarde, então. — Vanessa tentou recuperar sua mão e entrar, mas ele a segurou.

—Você vai para a praia hoje?

Ela queria, especialmente agora que ela sabia que ele ia estar lá. Mas ela não sabia quais eram os planos de Ashley, e não podia se comprometer com nada ainda.

—Não sei. Eu tenho que ver o que Ash quer fazer. Eu acho que ela não deve trabalhar até ao fim da tarde.

—Ok. Ciao, tesoro. — ele disse, e se inclinou para beijar sua bochecha.

Quando Vanessa entrou na casa, seus pés mal tocavam o chão e ela estava sorrindo como uma idiota. Toda a experiência esta manhã tinha sido muito surreal e um pouco confusa. No entanto, ela não iria insistir muito nisso, porque a coisa mais importante era que Max estava incrível e ele a fez sentir completamente quente e vertiginosa por dentro.

Ashley já estava na cozinha fazendo café. O próprio cheiro era uma dádiva de Deus para Vanessa.

—Ei, eu não sabia que você estava acordada, e muito menos malhando. — Ashley disse, pegando dois copos de café do armário.

—Eu saí para uma corrida. Não queria te acordar. — Ela se jogou em uma cadeira, aceitando a caneca de café fumegante e exalando em puro deleite quando ela tomou seu primeiro gole. Por um momento ela pensou em contar a Ashley que estava correndo com Zac, mas depois mudou de ideia. Se sua prima pedisse para parar, o que ela responderia? Então, por que estragar um dia perfeitamente bom com outro dos discursos de Ashley?

—Então, o que você quer fazer hoje? — Perguntou Vanessa.

—Bem, eu tenho que estar no estúdio às cinco. Eu sou sua até essa hora. O que você gostaria de fazer?

Vanessa queria ir para a praia. Queria deitar em uma toalha, aproveitar o sol, trabalhar em seu bronzeado, que estava ficando muito bom ultimamente, e olhar para o corpo de Zac seminu. Mas ela sentia que precisava resistir a essa tentação. Eles estão juntos há dois dias seguidos, e tinham começado o dia juntos hoje. Talvez fosse uma boa ideia manter alguma distância. 

Vanessa precisava clarear a mente do nevoeiro induzido por Zac.

—Vamos dar uma volta na cidade. Talvez algumas compras. Almoço em um restaurante agradável. Um filme? — Sugeriu.

—Parece bom. — disse Ash.

—Qual?

—Todos eles. Vamos. Termine o seu café no andar de cima, enquanto se apronta.

—Se quisermos fazer tudo isso, precisamos sair em cinco minutos.

Elas tiveram um grande dia. Ashley estava feliz e sorridente o tempo todo, muito diferente da bagunça mau humorada que ela esteve nos últimos dias. Havia algo que afetava o seu humor, mas Vanessa não tinha certeza do que era. Na verdade, ela era uma artista e eles são famosos por suas mudanças de humor, mas isso era outra coisa. Ou melhor, alguém? Vanessa poderia apostar seu braço direito que havia um homem afetando o humor de sua prima. Mas onde estava ele? Ela nunca mencionou ninguém, e certamente não tinha visto ninguém desde que Vanessa tinha chegado. E mais, Ashley nunca havia indicado que havia algo que ela precisava falar com Vanessa. Ela respeitaria a privacidade de sua prima, e não tentaria arrancar isso. Se e quando ela estivesse pronta para falar, ela o faria.

Não houve tempo para um filme, porque a parte das compras demorou um pouco mais do que o inicialmente previsto. Pelo lado positivo, cada uma havia comprado uma roupa nova, e um par de pares de sapatos também. Vanessa também adquiriu uma nova lingerie sexy que estava em promoção, e ela não podia resistir. Além disso, ela  realmente esperava que tivesse a chance de usar, antes que tivesse que partir.

Quando chegaram em casa, Vanessa esparramou no sofá e se recusou a se mover. Ela estava exausta. Quatro horas de sono naquela noite, combinada com exercícios e compras, tudo no mesmo dia, provou ser um pouco demais para ela. Antes que ela percebesse,  seus  olhos  estavam  pesados,  e  ela  estava  se  afastando  para  um sono tranquilo.

Quando ela acordou, tinha um cobertor macio cobrindo-a, e a casa estava incrivelmente tranquila.

Ashley já deve ter saído, Vanessaa pensou.

Ela se levantou e pegando todas as suas sacolas de compras, subiu as escadas. Tinha sido um dia quente e ela estava pegajosa da umidade do ar. Um segundo banho do dia estava na lista. Isso também iria ajudá-la a acordar corretamente, porque agora, tudo o que ela queria fazer era subir de volta para a cama e dormir até de manhã.

O telefone dela piscava quando ela saiu do chuveiro. Ela tinha duas chamadas não atendidas - uma de Ashley e uma de Zac, e uma mensagem dele que simplesmente dizia: Ligue para mim.

Então ela ligou.

—Ei, onde você esteve o dia todo? — Ele perguntou, depois de atender ao segundo toque.

—Shopping com Ashley.

—Certo. Eu posso imaginar como isso levou o dia todo. — Ela podia sentir o sorriso em sua voz.

—Yeah. Eu poderia ter feito o dia todo, mas ela tinha que ir trabalhar. Minha resistência é lendária. — disse ela, citando suas palavras de hoje de manhã, e Zac riu. Uma risada gutural profunda e genuína. Vanessa desejava estar lá, ao lado dele, vendo-o rir desse jeito.

—Será que você comprou algo de bom?

—Yep. Um monte de coisas.

—Por que você não coloca algumas dessas coisas agradáveis que comprou e vem para o bar? Eu estarei lá depois das sete.

Vanessa queria ir, muito. Ela queria vê-lo, porque já sentia falta dele. Mas, se ela concordasse de imediato, ele iria achar que ela está desesperada? Um leve flertar esta manhã, e ela já não podia suportar ficar longe dele? Seu ego já era enorme, sem necessidade de inflá-lo ainda mais.

—Eu não sei. Estou muito cansada, eu prefiro ficar na frente da TV.

—Oh, vamos lá. Eu sei que você deve estar se coçando para colocar os novos sapatos. — ele brincou.

—Como você sabe que eu comprei sapatos?

—Claro que você comprou. As mulheres sempre compram sapatos quando vão às compras.

—Você tem estudado a nossa espécie muito perto, eu posso dizer.

—Conhece o teu inimigo, e tudo mais. — Ele estava sorrindo novamente e Vanessa queria ver aquele sorriso. Esta noite. — Vanessa?

—Sim?

—Por favor, venha. — O jeito que ele disse a palavra “venha” a fez pensar em uma situação muito diferente. Ela mordeu o lábio para se obrigar a prestar atenção na conversa, porque sua mente já estava se afastando para um lugar onde Zac falava ofegante em seu ouvido. — Eu quero ver você vir, tesoro — disse ele, e, como se sentisse sua mudança de humor, sua voz caiu para um sussurro sedutor.



Como ela poderia resistir?

Vanessa tinha cerca de uma hora para ficar pronta. A roupa que ela tinha comprado hoje seria perfeita para esta noite - calça jeans que abraçava cada curva e ficava baixa em seus quadris, um top preto que era decotado na parte de trás e na frente, mas não era indecente, porque tinha bastante pedras por toda parte que distraia o olhar do decote, e as sandálias pretas de salto alto que poderia matá-la em pé, mas estava linda. Para finalizar, Vanessa escolheu algumas pulseiras e um longo colar simples, com nada além de um pingente de asa de anjo pendurado, que ela colocou dentro de sua blusa. Ela secou os cabelos e deixou-os soltos sobre os ombros. Uma pitada de rímel, um toque de creme hidratante e algum gloss e ela estava pronta.


Ela ligou para Ashley a caminho da porta da frente, mas atendeu seu correio de voz.  Ela provavelmente já estava em sala de aula. Vanessa deixou uma mensagem dizendo que ela estaria com Zac no bar, e que ela poderia se juntar a  eles mais tarde, se  ela estivesse a fim, e fechou a porta atrás dela.

***
Hey meninas! O que está acontecendo?
Vocês não estão gostando da história,é isso?
Quase ninguém comenta nada...
Alguns anos atrás,encerrei meus blogs por falta de incentivo das minhas leitoras...Eu postava para o "vento"...
Não quero ter que tomar essa decisão novamente!
Espero, de coração, que cada uma de vocês, tire um tempinho para comentar, mesmo que seja para fazer alguma crítica.
E essa demora toda do Zac e da Vanessa ficarem juntos vai valer a pena no final,podem ter certeza!
Até mais,xoxo

5 comentários:

  1. Eu amooooo de paixão todas suas fic e essa adaptaçao está surpreendente!!!
    Espero muitoooooo de coração que não deixe de postar!!
    Deus este capítulo foi taooooo perfeito que eu ja quero ver o que vai rolar neste bar...
    Posta mais pleaseee!!
    Beijooos

    ResponderExcluir
  2. Eiii, por favor nao pare com a adaptação da fic, ela é perfeita assim como todas as outras historias que vc já postou. Amo de paixão. Estou muito ansiosa para ver zanessa juntos. Posta maiss. Bjoss

    ResponderExcluir
  3. Eiii, por favor nao pare com a adaptação da fic, ela é perfeita assim como todas as outras historias que vc já postou. Amo demais sua fic.. Amei o capítulo posta logo por favor..
    ❤❤😍😍😘😘

    ResponderExcluir
  4. Ah n nem vem Rafa pode continuar postando eu tô amando sua fic e tô adorando todo esse jogo do Zac pra nessa ficar.
    Será q tem algum homem mesmo na vida dá Ash?? Será q a Nessa tá certa?? Fiquei curiosa agr
    Bjs 😘😘😘❤

    ResponderExcluir