quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Capítulo Quinze

Era segunda-feira à noite e, como esperado, o bar não estava tão cheio. Zac estava no turno com Marco, que era legal e também fazia cocktails na velocidade da luz. Então tudo que Zac tinha que fazer era servir as cervejas e  garrafas de vinho.

Quando Vanessa entrou, Zac quase se arrependeu em convidá-la. Ela parecia quente. Como a superfície do sol. Como ele iria afastar os caras que dessem em cima dela? E ele tinha certeza de que haveria muitos.

— Uau, que é isso? Eu nunca a vi aqui antes. — disse Marco, praticamente babando em todo o balcão e olhando para Vanessa.

— Isso é Vanessa, e se você não parar de olhar de soslaio para ela como um pervertido, eu vou usar você para limpar o balcão. — disse Zac, o mais baixo possível, porque ela estava se aproximando, e ele não queria que ela ouvisse a sua ameaça.

— Relaxa, cara. Eu não sabia que ela era sua menina. — disse Marco, erguendo as mãos na frente e saindo. Zac não o corrigiu. Ele gostou do som de “a sua menina”.

— Hey. — ela disse, pegando o seu lugar habitual no canto do bar. — Por que você está me olhando desse jeito?

— É isso que você comprou hoje? — Perguntou Zac, ficando diante dela e colocando as mãos sobre o balcão.

— Yeah. Você gosta? — Ela sorriu, aquele seu sorriso mais encantador.

— Eu e todas as pessoas com um cromossomo Y aqui. — Ela riu e revirou os olhos.

— Agora estou temeroso que tenha que te beijar, para que todos se controlem e não tentem dar em cima de você. — Zac inclinou-se sobre os cotovelos em direção a ela, e notou sua expressão mudar instantaneamente de diversão encantadora, para algo mais sério. Ela queria que ele a beijasse. Zac inclinou-se ainda mais e ela aquietou completamente, sem fôlego e seus lábios se separaram.

Merda. Isso vai ser mais difícil do que eu pensava.

Vanessa tentou manter os olhos no dele, mas não resistiu parando em seus lábios. Zac beijou o canto da sua boca e permaneceu por alguns segundos, antes de se forçar a se afastar. Ela soltou a respiração que estava segurando e, novamente, como esta manhã, a decepção era evidente em seus olhos.

Ainda não, querida. Ainda não.

— Você quer jogar, Zac? — Ela perguntou, o timbre de sua voz soando baixo. — Porque eu posso jogar muito, se é isso que você quer.

Ela não estava sorrindo e brincando mais. Com um último olhar em sua direção, Vanessa foi para a pista de dança.

Porra.

*
Vanessa estava furiosa. Zac estava agindo como um idiota. Ele poderia muito bem ver o efeito que tinha sobre ela, mas ainda assim ele brincava com ela. E não só isso, mas a humilhando ao se afastar no último momento, sorrindo com satisfação e a deixando na vontade.

Ela estava cansada de seus jogos. Primeiro, ele a quis, então ele tinha prometido que seriam apenas amigos, e então ele começou a persegui-la, deixando ela desesperada o desejando.

Como se ela tivesse em algum momento parado de desejá-lo.
A parte racional de seu cérebro lhe disse que era melhor assim. Ficar com raiva de Zac era bom. Pelo menos a distraia de sua necessidade de estar com ele em todos os sentidos possíveis. Mas a maior parte, aquela irracional, mandava que ela o deixasse insanamente ciumento esta noite.

A vingança é uma cadela.

No momento em que ela chegou à pista de dança, dois rapazes a localizaram imediatamente e foram em sua direção. Um homem alto e muito atraente chegou primeiro, e, tomando-lhe a mão, girou em torno dela. Ele era um dançarino muito bom - não como Beppe, mas não havia ninguém como Beppe - e Vanessa gostava de dançar com ele. Seus pés estavam começando a doer por causa dos sapatos novos, mas ela decidiu ignorar a dor. Sem dor, sem ganho, certo?

Ela conseguiu roubar alguns olhares na direção de Zac e ele parecia tão irritado como Vanessa queria que ele estivesse. Quando a quarta música começou, Vanessa teve que desculpar-se, porque seus pés não estavam apenas a matando - eles já estavam mortos  e enterrados. O cara - que ela não chamou o seu nome por causa da música alta - ofereceu-se para comprar uma bebida para ela, mas ela recusou educadamente. Isso poderia empurrá-lo um pouco longe demais. Ela não queria ser responsável por seu nariz quebrado.

Sentando em seu banquinho, ela abanou-se dramaticamente e pediu ao outro bartender uma sangria sem álcool. Ele parecia apreciar os eventos acontecendo em torno dele e apresentou-se como Marco, beijando sua mão, antes de fazer o seu cocktail.

— Está se divertindo? — Perguntou Zac, sua voz dura.

— Sim, muito. Você estava certo. Foi muito melhor vir aqui do que ficar jogada na frente da TV durante toda a noite. — Ela estava empurrando testando seus limites e sabia disso.. Os olhos de Zac brilharam perigosamente com algo possessivo e raiva. Vanessa se recusou a recuar ou arrepender. Ele estava recebendo o que merecia.

— Bom. Estou feliz. — disse ele e, dando-lhe o sorriso apertado mais sarcástico, que Vanessa já tinha visto, se afastou para atender um cliente.

OK, então ele estava mandando a bola em seu campo. O que ele esperava? Que ela apenas se sentasse aqui e iria esperar ele provocá-la um pouco mais? Primeiro faz ela se sentir vulnerável, então a esfaqueia pelas costas? Vanessa odiava fazer jogos mentais com as pessoas que amava, mas agora começou isso e iria ter que ficar até o fim.

*
Mesmo que Zax soubesse por que ela estava fazendo isso, isso não tornava menos doloroso. Ela dançou com o babaca a noite toda. Pelo menos ela teve o bom senso de não deixá-lo comprar-lhe qualquer bebida ou flertar com ele no bar. Isso teria sido o impulso necessário para Zac, e o cara teria voado para fora da porta traseira com pelo menos três costelas quebradas.
Vanessa era inteligente. Ela sabia exatamente quanto empurrar sem cruzar a linha.

Zac lamentou provocá-la com aquele beijo antes. Não era justo. Ela tinha ficado tão convencida de que ele iria fazer. Ainda mais, ela queria que ele fizesse tanto quanto ele tinha. O olhar em seus olhos havia mudado no instante em que Zac tinha se afastado, da luxúria e expectativa, para ferido e determinado. Ele nunca teve a intenção de fazê-la se sentir assim. Agora, ele estava dividido entre seu arrependimento e a necessidade de pedir desculpas, e seu desejo de arrastá-la para fora que pista de dança e trancá-la na sala dos funcionários, até que tivesse encerrado o trabalho.

— Parece que cheguei bem na hora de suavizar esse vinco entre as sobrancelhas, mano — a voz de Beppe interrompeu os pensamentos de Zac.

— Onde você estava, cara? Eu tentei te ligar ontem e três vezes hoje. O que diabos aconteceu?

— Você não recebeu as fotos que lhe enviei?

— Eu recebi, mas isso não serviu como explicação de onde você estava. Ou melhor, como você estava.

— Eu estou bem. — disse ele, embora sua expressão sugerisse que ele não estivesse nada bem.

— Beppe... — Zac começou.

— Olha, cara, eu não quero falar sobre isso. Estou aqui para relaxar, ficar bêbado e de preferência voltar para casa com uma gostosa. Então, apenas deixe pra lá, OK?

Zac assentiu. Ele conhecia seu amigo o suficiente para saber que, se ele não quisesse falar, ele não falaria. Ele o pegaria em outro momento melhor ainda esta semana e o faria derramar tudo sobre ele e Gia, porque ultimamente, algo definitivamente estava acontecendo.

— Falando de gostosa... — Os olhos de Beppe foram até a pista de dança, e ele fixou em Vanessa, que estava dançando com aquele idiota, de costas para eles. — Merda, é a Vanessa — ele disse, enquanto se virava, com um sorriso fixo no rosto, claramente se divertindo. — O que você fez?

Por que você assume imediatamente que eu fiz alguma coisa? — Zac perguntou, deixando o copo que estava secando bater um pouco com força demais no balcão.

Porque Vanessa está ali, dançando com um cara, quando normalmente ela não sai do seu lado, quando estamos juntos. E você está aqui, irritado. — Quando Zac não discordou, Beppe continuou: — Então, o que você fez?
É uma longa história.

Deixe-a curta.

Suspirando, Zac esfregou a parte de trás do seu pescoço.

Eu a quero, cara. E ela também me quer. Mas ela vem com essas desculpas estúpidas, que nós não podemos ficar juntos, quando eu posso ver que ela também me quer tanto. Na outra noite, eu a levei para casa para lhe entregar a minha camisa do Gênova, e em um momento de fraqueza, eu a beijei. Ela me beijou de volta, e se seu telefone não tivesse começado a tocar, ela teria ficado a noite, eu sei disso. Mas então ela se afastou e eu a levei para casa. Eu decidi nesse momento, que a faria me querer tanto quanto eu a quero. Eu não quero que ela tenha algum arrependimento, se acontecer de estarmos na mesma situação novamente e não houver nada que nos impeça. — Zac fez uma pausa e olhou para a pista de dança. O cara que estava dançando com Vanessa ficou mais corajoso e a estava segurando mais perto. Ele franziu a testa.

OK, isso foi antes do jogo de sábado. Vocês dois pareciam se dar bem, então.

Sim, nós estávamos. Até que eu tomei a decisão de provocá-la. Fomos correr hoje e eu quase a beijei, me afastei no último momento. Hoje à noite, quando ela entrou aqui, eu quase a beijei novamente. Ela queria que eu fizesse isso. Ela estava pronta para isso. E não só eu me afastei, mais uma vez, mas eu pareci triunfante sobre isso. Honestamente, eu estava triunfante, mas por um motivo diferente. Eu estava tão feliz que eu tinha esse efeito sobre ela - que ela me quer tanto quanto eu a quero. Claro, ela entendeu tudo errado, e não parou de dançar com aquele idiota lá a noite toda.

Você é o idiota. Pare de jogar e fazer planos. Se você a quer, pegue-la! Diga a ela como você se sente.

Eu disse a ela!

Você tem certeza? — Beppe levantou uma sobrancelha.

Pensando nisso, Zac não tinha dito a Vanessa como ele se sentia. Ele disse que ela o estava deixando louco de ciúmes, e ele flertou escandalosamente com ela, mas foi isso.

Qual é o ponto? — Ele sentiu que ela provavelmente daria alguma desculpa esfarrapada novamente, e o afastaria.

Beppe não disse nada, apenas balançou a cabeça.

Eu vou salvar sua bunda hoje à noite, mas você me deve. — ele piscou para Zac e se dirigiu até a pista de dança.

Beppe se livrou do cara que estava dançando cara com vanessa em dez segundos, depois que algumas palavras aquecidas foram trocados e, lançando seu sorriso mais encantador, começou a dançar com ela. Ela balançou a cabeça e olhou na direção de Zac, mas não conseguiu resistir aos movimentos de Beppe, e logo estava completamente envolvida na dança.

*
Vanessa tinha certeza de que Zac tinha enviado Beppe para dançar com ela. Era uma sorte para os dois, que Beppe era um dançarino incrível, e ela estava contente que ele se livrou desse cara - ela estava começando a pensar em maneiras de fazer isso sozinha, sem causar uma cena.

Uma música lenta começou a tocar e Beppe envolveu em seus braços. Vanessa relaxou contra ele.

Vanessa — ele disse, e ela levantou a cabeça de seu peito. — Eu sei que Zac é um idiota, acredite. Mas ele está completamente fora de sua praia aqui, cara. Você precisa ajudá-lo.

O que você quer dizer?

Ele nunca sentiu nada por uma garota, como ele está sentindo por você. Ele não sabe como lidar com isso. Ele pode ter deixado você meio louca hoje, mas é porque ele não acredita que você o quer, e ele tem medo de que você vá rejeitá-lo.

Vanessa não falou nada, apenas colocou a cabeça no peito de Beppe. Ele estava certo.

Zac estava com medo de ela rejeitá-lo, porque ela já tinha feito isso antes.

Ele é um bom rapaz. Ele merece alguém como você.

Vanessa sentiu as lágrimas brotando, e não queria que Beppe visse, então ela apenas balançou a cabeça contra seu peito.

Eles dançaram um pouco mais, até que o lugar estava quase vazio e as bebidas finais foram anunciadas, Zac começou a fechar o bar. Beppe a levou de volta para o seu lugar e ela sentou-se desajeitadamente, incapaz de olhar para Zac.

Você me deve uma gostosa agora. — Beppe piscou para seu amigo, e dando um beijo de despedida em Vanessa, partiu.

Os últimos clientes saíram com ele, assim como Marco e as garçonetes. Estavam apenas os dois.

Desde que o conheceu, Vanessa nunca se sentiu estranha em ficar sozinha com Zac, mas agora ela não sabia o que dizer. Estudando os dedos de sua mão esquerda atentamente, ela pensou em começar com um simples — me desculpe — porque ela realmente sentia muito. Como de costume, ela tinha estragado a situação fora de proporção.

Ela viu os dedos de Zac se entrelaçam com a dela e olhou para cima.

Zac, eu sinto muito. Eu exagerei... — ela começou, mas ele a interrompeu.

Não, Vanessa, a culpa é minha. Eu não deveria ter provocado você assim. Sinto muito.

Eu vim aqui para passar algum tempo com você, porque... Bem, eu senti sua falta hoje. E eu passei toda a noite dançando com outra pessoa, mesmo tendo prometido que intencionalmente não iria provocar ciúmes. — Ela colocou a cabeça entre as mãos, tentando coletar seus pensamentos. Zac ficou em silêncio, como se estivesse esperando que ela fizesse o primeiro movimento. — É só que... Quando você deu aquele beijo ao lado de meus lábios, em vez de sobre eles, eu me senti... Enganada. Como se eu não fosse nada mais do que um jogo para você.

Vanessa...

Não, espere. Deixe-me terminar. Eu sei que eu te afastei para longe antes, e eu meio que merecia, mas, por favor, não faça isso de novo — Falar sobre isso trouxe de volta todo o espectro de emoções que Vanessa passou, quando ele se afastou dela e sorriu com satisfação. Ela sentiu as lágrimas descerem, e se odiava por isso.

Zac deu a volta no bar e girando seu corpo no banco, abraçou com força. Ela escondeu o rosto em seu pescoço, inalando seu aroma especial Zac, e relaxou instantaneamente. Ele acariciou seu cabelo, brincou com ele, mas não disse nada.
Acho que devemos esfriar isto.— Vanessa disse, sua voz abafada pela sua   camisa. Seja meu amigo, OK? Eu quero estar perto de você, mas sem flertes, provocações, comentários sugestivos e toques prolongados. Eu preciso de um tempo para resolver minha própria cabeça.

O aceno de Zac era pouco perceptível. Ele não a soltou, apesar de tudo. Ele continuou a segurá-la e brincar com seu cabelo.


Ficaram assim por um tempo até que ambos estavam prontos para partir.

5 comentários:

  1. O que será que acontece depois disso...ai! Eu estou ansiosa! Posta mais logo

    ResponderExcluir
  2. O que será que acontece depois disso...ai! Eu estou ansiosa! Posta mais logo

    ResponderExcluir
  3. Ai meu coração...
    Ja quero o próximo capitulo por favooor hahaha
    Amei o capítulo como todos os outros!
    Posta maiiiis logo pleaseeee!
    Beijooos

    ResponderExcluir
  4. Como sempre o capitulo ficou perfeitoo, estou mais que ansiosa para o próximo. Estou louca para ver zanessa juntos. Posta mais logoo. Bjoss

    ResponderExcluir